Ourilândia do NortePolítica

7 vereadores “deformam” projeto e inviabilizam supervisão militar educacional no Bairro JP

Emenda que modifica projeto sobre implantação do Projeto de Supervisão Militar Educacional na Escola Deilton Dias da Silva foi aprovada por 7 votos favoráveis e deixou moradores de Ourilândia do Norte inconformados

Por 7 votos a 6, a Câmara Municipal de Ourilândia do Norte – Pará, aprovou uma emenda, de autoria do vereador Dr. Andrade Soares (PL), que inviabiliza a implantação do projeto Supervisão Militar Educacional (Sume) na Escola Professor Deilton Dias da Silva, no conjunto habitacional JP. O projeto de lei estava ‘engavetado’ desde abril deste ano e colocado em votação nessa semana.

O projeto visa atender regiões de maior vulnerabilidade social e cria ‘clubes’ de reforço aos alunos nas mais variadas disciplinas, como matemática, português, literatura, esportes, músicas, dentre outros temas. A supervisão deveria ser feita dentro da escola, que tem espaço suficiente para sua implantação.

Ocorre que a emenda aprovada determina que ele seja feito em outro ambiente, destinado para este fim específico. Diz o texto que fica “vedada a utilização de unidades escolares já existentes e com alunos regularmente matriculados”.

Entendemos que o sistema disciplinar misto e compulsório ao mesmo tempo poderá ser prejudicial para alguns alunos. A modificação proposta deseja oportunizar aos alunos e pais interessados, de forma opcional, a matricular seu filho no sistema disciplinar militar”, diz a justificativa da emenda.

A emenda que inviabiliza o projeto foi aprovada, mesmo diante do protesto de dezenas de pais e mães de alunos, que clamavam pela implantação.

O QUE DIZ O PREFEITO:

População manifestou apoio ao projeto, mas acabou ‘deformado’ pela Câmara

À reportagem, o prefeito Dr. Júlio Cesar Dairel (Avante) lamentou a decisão da Câmara, mas disse que vai vetar a emenda. Dr. Disse ainda que espera que o clamor popular possa sensibilizar os vereadores da oposição, já que a escola foi escolhida pela Polícia Militar devido a vulnerabilidade da região.

Dr. Júlio lembrou ainda que o Sume está implantando em várias escolas paraenses, surpreendendo com a redução da evasão escolar, além de elevar a média dos alunos, que passaram a contar com aulas de reforços, ministradas pelos militares depois das aulas regulares, ou antes, a depender se os alunos estão estudando no período matutino ou vespertino.

Ele lembra ainda que a construção da uma nova escola iria acarretar em um custo de até R$ 4 milhões, sendo que esse valor poderia ser usado para pagar os militares que iriam ministrar as aulas de reforços. Ele afirma ainda que a escola tem espaço de sobra para a implantação do Projeto de Supervisão Militar Educacional.

A gente ficou com esse projeto engavetado por causa dessa oposição política que a gente tem hoje na Câmara. E agora querem que eu construa uma outra estrutura. Uma escola desse porte custa na faixa de R$ 3 a R$ 4 milhões. Então, inviabilizou o projeto”, lamentou Dr. Júlio Cesar, que acrescentou que esse valor poderia ser usado para manter a própria escola, como também a reforma das escolas já construídas do município.

Esse valor seria suficiente para bancar o projeto por 72 meses, isto é, mais de 6 anos, considerando que teria um custo mensal de R$ 55 mil. Ademais, o município não tem necessidade de criação de novas unidades escolares.

Além de tudo isso, a emenda descaracteriza o objetivo do projeto da Polícia Militar, que é atender alunos de regiões específicas, onde estão mais vulneráveis. Portanto, a população que deveria ser beneficiada ficaria prejudicada.

O projeto foi encabeçado pela vereadora Auderisa de Oliveira (DEM) e pelos vereadores Márcio Leitão (MDB), Walter da Sagre (MDB) e Irmão Edivaldo (MDB).

O QUE DIZ A AUTORA DO PROJETO:

A autora do projeto, vereadora Auderisa Oliveira, afirmou à reportagem que o projeto existe desde 2018, com avanços na educação, como melhora nas notas do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), além de zerar a evasão escolar e reduzir a criminalidade nas regiões, já que a presença de militares, mesmo com a finalidade de apenas contribuir com o projeto Sume, inibe a ação de criminosos.

Auderisa disse ainda que o projeto não foi aprovado na íntegra porque os vereadores temem o crescimento de capital político dos envolvidos.

Alguns colegas vereadores, por meras questões políticas, fizeram uma emenda ao projeto. Eles ficaram com o projeto engavetado por quatro meses na Casa, criando, na verdade, uma maneira para reprovar o projeto. Mas para enfrentar a opinião pública popular, porque a cidade, o povo quer o projeto, criaram essa emenda”, disse Auderisa.

O QUE DIZ O AUTOR DA EMENDA:

O vereador Dr. Andrade Soares, que também é presidente da Câmara de Vereadores de Ourilândia do Norte, foi procurado pela reportagem via telefone e por WhatsApp. Até a publicação deste material, nossos questionamentos não haviam sido respondidos.

CONFIRA OS VEREADORES QUE APROVARAM A EMENDA:

Mesmo diante da pressão popular, 7 vereadores que aprovaram a emenda que deformou o projeto, são eles: Renivaldo Martins (Republicanos); Reginaldo de Souza (Cowboy) (MDB); Raimundo Oliveira (Raimundinho) (PT); Walmy Cesar Goleiro (Republicanos); Almir Pereira (PL); Renildo Bezerra Cabeção (PL) e o autor da emenda, vereador Dr. Andrade Soares (PL).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo